segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Dicionário de Antoniês

Já fazia um tempo que eu não vinha aqui, né? É que como minha avó tá aqui, todo dia a gente sai pra fazer algum programa. Até ensaio pra coroinha de missa eu já fiz, levando pão para o altar na Igreja de Nossa Senhora Achiropita, no Bixiga. É, eu tenho ido a muitos lugares legais, minha saúde tá ótima. Só meu humor que varia, sabe? Quando tô com sono ou cansado, abro o berreiro e faço um escândalo que a mamãe já apelidou de O Exorcista. É que eu jogo a cabeça pra trás, berro, balanço a cabeça, cuspo, me jogo no chão, reviro os olhos... Hollywood tá perdendo tamanho talento! Só pra mexer com meu pai, fiz um escândalo desses uma hora antes de ele ir pro aeroporto, na quinta-feira. Claro que ele quase desiste da viagem. Só saiu depois que me deixou dormindo. A minha mãe é mais difícil de enrolar e por isso minhas encenações do Exorcista estão ficando menos frequentes. Que pena! Eu adoro brincar de controle remoto com meus pais!
Mas vamos ao título desse post. Como vocês sabem, só tenho um ano e cinco meses, mas estou ficando muito esperto, falando um monte de palavras. Tudo bem que quase ninguém consegue entender, mas eu entendo tudinho que falam pra mim. Saca ai meu dicionário:
- Au-au - conceito amplo que vai de cachorro a qualquer outro bicho de quatro patas e inclui até os Popozudos da Caixa. Uso também pra dizer que quero ir pra varanda, olhar os cachorros passarem na rua.
- Piá - passear. Já acordo gritando essa palavrinha, porque sou mesmo muito rueiro (a quem será que eu puxei?). Costuma surtir efeito quando usado no repeat: piá piá piá piá piá.
- Quer - serve pra tudo: comida, brinquedo, louças quebráveis... basta apontar o dedinho em direção ao objeto do desejo, ao mesmo tempo em que pronuncio a palavra mágica.
- Mamãe - essa eu aprendi a falar diretinho aqui em São Paulo. Em Teresina, eu dizia manhêêêê, imitando o Zé Luiz e o Pedro.
- Papai - falei essa pela primeira vez semana passada, dentro da minha estratégia de não deixar o papai ir embora. Não funcionou, mas ele viajou com o coração na mão.
- Agum - significa água ou qualquer outro líquido para beber.
- Aô - é o que as pessoas grandes chamam de alô. Serve pra mostrar o telefone, o fone do computador ou pra avisar minha mãe que o telefone tá tocando.
- Chá-chá - essa também é das antigas; eu já falava em Teresina. É aquele negócio que serve pra fechar e abrir portas (de carro, do apartamento, etc.) Mal entro no prédio e já viro pro Ricardo, da portaria, e digo "chá-chá"!
- Ôôôôô - significa acabou (o suco, a comida do prato, etc.) Normalmente acompanha um olhar de decepção.
- Sei! (assim mesmo, com exclamação) - quer dizer "achei". É usado quando acho uma coisa que não deveria ter achado. Por exemplo, meus lencinhos umedecidos (que eu arranco um por um), o hipoglós (que eu adoro comer e lambuzar a cara).
- Nenê - sou eu, claro! Pensou que fosse quem?
Essa semana falei também minha primeira frase: "Quer au-au". Não vi grande vantagem nisso, mas a mamãe e a vovó ficaram super felizes porque eu consegui juntar um tal de verbo com um objeto. Mãe é bicho besta e avó é mais ainda.
Falando em avó... A minha avó Ceiça vai embora amanhã cedinho. O resto da semana vou ficar só com minha mãe. Ela já disse que eu tenho que colaborar, me comportar direitinho, não encenar O Exorcista... Não sei se vou seguir todas as recomendações. Mas prometo que vou tentar. Pelo menos até sexta-feira quando meus padrinhos chegam aqui.
E hoje é aniversário do meu avô Renildo. Não falei com ele no telefone porque só falo quando não tem ninguém na linha. Quando tem outra pessoa falando fico só escutando e "assuntando", e esqueço que sei dizer "aô".
Agora vou dormir porque amanhã é feriado aqui e eu vou pra casa da tia Geórgia brincar com meu priminho Davi.

5 comentários:

Cláudia disse...

Eita, fico só pensando em você, o Luquinha e o Zé Luís conversando. Vai ser um papo super animado. beijos!

José Helder disse...

Ô menino cheio de verbo, de falácias. É como dizem, filho de peixe peixinho é. Pelo visto nessacurta estadia em Sampa vai sair falando "ô meu" numa velocidade incrível. Beijos e boa semana!

Anônimo disse...

oi, amiga, fiquei sabendo deste intenso episódio em suas vidas há poucos dias. esse é a minha primeira visita ao blog do guerreiro e fico muito feliz (mesmo!) de saber que antonio é tão forte... tbém, com tanto amor... essa é, sem dúvida, a fonte mais poderosa de saúde e alegria dele. grande bj pra familia toda, voltarei mais vezes! regina veloso

Elielson disse...

hoje também é a primeira vez que visito o blog, cacá...

essa é uma maneira muito honesta e amorosa de lidar com uma situação ultra-difícil dessa.

um beijo muito forte para vc e todos que estão cuidando desse meninão sortudo de estar rodeado de pessoas que tanto o amam.

mais um componente da torcida teresina

elielson

Raphael Barbosa disse...

Meu irmão também chamava água de Abum ou Agum... Vocês freqüentam a mesma escolinha antes do nascimento?